Esta é a minha história.

Fui uma criança feliz. Da minha infância guardo a lembrança da textura e o cheiro da terra, do verão e dos animais que sempre me acompanharam.
Cresci no meio da natureza e esta foi o cenário das minhas brincadeiras, das minhas fantasias e das minhas histórias. A criatividade foi o escape da minha timidez e o refúgio do mundinho isolado que construí para mim. À medida que fui crescendo, esse isolamento ganhou espaço dentro de mim.

Chegou a adolescência e, com ela, os medos, os complexos e também as mudanças… De casa, de escola, de amigos… E isso despertou uma sensação de perda e vazio que me iriam acompanhar até à idade adulta. Sentia que me faltava algo, um rumo, um propósito, um sentido para o que fazia. Durante muito tempo senti que queria ter um impacto positivo no mundo, mas não sabia que direção tomar.

Formei-me em Geografia, ramo educacional. Durante quase uma década fui professora, mas faltava-me algo… 
Procurei outro caminho. Especializei-me em Desenvolvimento Sustentável, fiz mestrado em Riscos, Cidades e Ordenamento do Território, mas continuava a sentir-me um peixe fora de água. 


Descobri então o voluntariado, e a economia social. Trabalhei numa numa associação de apoio social e humanitário. E o meu contacto com crianças e causas humanitárias acentuaram o meu desejo latente de mudar o mundo e fazer a diferença.
Dentro de mim ressoavam a questões:

Que mundo estou a construir para os meus filhos e os meus alunos? Que mensagem é valores lhes estamos a passar? Como educar uma criança para valores positivos numa sociedade tão individualista e consumista?

Foi então que reencontrei a escrita e, com ela a minha voz interior. Foi através desta que me reconectei com aquela criança sonhadora que outrora fora e os valores que sempre tinham vivido dentro de mim e esquecera. Mas que quero passar aos meus filhos e partilhar com o mundo.

Descobri nos meus livros e nos meus jogos uma forma de potenciar momentos em família e ajudar a criar as memórias de infância felizes que tive. De ajudar as crianças a acreditarem na magia e no poder que vive em cada um deles. De transmitir mensagens positivas e construtivas de valores e comportamentos que estão na base da mudança e de um mundo mais consciente, mais justo, solidário e sustentável…

Sou uma idealista, uma sonhadora. E isso não me incomoda. Sem sonhos, sem esperança e sem um pouco de magia, as transformações não acontecem. Porque acredito que um mundo melhor é possível e acontece de dentro para fora.

A minha Fórmula S

Na minha visão, não existe só uma forma de mudar o mundo. Todas as coisas estão interligadas. Desde pequena que me apaixona procurar essa interligação e conjugar coisas que, à partida, parecem diferentes.Esse foi um dos motivos para ter seguido a área de Geografia e, sem dúvida alguma, especializar-me em Desenvolvimento Sustentável.

Este foi também um dos pontos centrais que esteve na base da criação da minha fórmula para mudar o mundo – a Fórmula S – uma tentativa de conjugar as minhas paixões com o meu caminho… A escrita, a educação, a sustentabilidade, a solidariedade.

A Fórmula S parte do princípio que as histórias servem para educar e que a educação é a base para um mundo mais sustentável e solidário e, portanto, melhor. Assim, a Fórmula S – educação para os valores e mudança estrutura-se em 4 eixos fundamentais:

Escrever um mundo melhor

As histórias e os livros são um veículo fundamental para mudar o mundo! Através de cenários e enredos de fantasia é possível lançar as sementes para a realidade que queremos no futuro.

SER… a sustentabilidade de dentro para fora

O mundo mais sustentável começa por seres que se conhecem, se questionam e procuram evoluir constantemente.

SONHAR… Solidariedade sem pontos nem vírgulas

A sociedade civil e as organizações de economia social são elementos fundamentais de mudança. Acredito que contando as suas histórias, posso ajudar a espalhar as suas mensagens.

Educar para mudar

As crianças de hoje são o futuro de amanhã e, por isso, é fundamental começar hoje mesmo a educá-las para um mundo mais justo, consciente e solidário.

 

 

 

Partilha: