O espírito de natal morreu

De repente estamos a meio de novembro e, por todo o lado já começam a surgir imagens e sons que nos fazem lembrar o natal.

Eu sempre adorei o natal…

As luzes, as músicas, os pratos tradicionais, os presentes… tudo o que te conseguires lembrar está certamente dentro das minhas coisas preferidas.

Esta sempre foi a minha altura preferida do ano, em que um entusiasmo mágico tomava conta de mim e, que eu acreditava tratar-se do verdadeiro espírito natalício.

Mas, nos últimos anos, deixei de conseguir sentir a magia do Natal. Eu continuava a sentir-me entusiasmada e feliz com a quadra, mas aquela magia que sempre tinha sentido parecia estar perdida.

Acredito que isso aconteceu porque, a determinada altura a minha perceção sobre o natal começou a alterar-se…

Quando comecei a tentar praticar uma vida mais sustentável, tornou-se inevitável a reflexão sobre algumas questões que até então nunca me tinham preocupado.

E foi então que percebi que a altura do ano que eu mais gostava entrava em total conflito com aquilo em que eu acreditava porque:

  • A maior parte dos símbolos natalícios têm por trás fortes mensagens ligadas ao consumismo;
  • As prendas e os bens materiais frequentemente se sobrepõem aos valores que deviam estar na base da quadra, como a família e a solidariedade;
  • A quantidade de resíduos gerada nesta quadra é enorme;
  • O desperdício alimentar que acontece no natal é gigantesco, enquanto há famílias em todo o mundo que passam fome;
  • As comidas de natal pouco ou nada têm de saudável;
  • O consumo energético dispara, sobretudo nas áreas urbanas, devido às iluminações de natal;

Entre muitas outras pequenas coisas que no conjunto se tornam grandes!

E, de repente, aquela quadra do ano que costumava ser mágica e que fazia ressoar sininhos dentro de mim, começou simplesmente a passar por mim…

Já alguma vez tiveste essa sensação? De estar a viver as coisas, mas como se não estivesses realmente lá?

Eu posso dizer que não gostei nada dessa sensação! E definitivamente continuar a passar pelo natal não fazia sentido nenhum.

Mas deixar de o celebrar também não…

A única solução que me ocorreu foi permitir-me voltar a olhar para o Natal tal como fazia quando era criança, para tentar recuperar o seu verdadeiro significado.

E posso dizer-te que este foi um exercício bastante poderoso e me fez voltar a acreditar na magia do Natal…

 

 

Partilha:

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *